Centro de Acolhimento de Emergência Social - Residência Social São João de Deus



Coordenação – Dra. Brenda Silva (brendasilva@assoc-vitae.org)
 
O Centro de Acolhimento de Emergência Social – Residência Social São João de Deus, a funcionar, desde 2012, no Edifício de S João de Deus da Casa de Saúde da Idanha - pertencente ao Instituto das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus -, visa dar resposta, através de alojamento transitório e temporário, a problemas detetados relativamente a pessoas e famílias em situação de risco de emergência social, nomeadamente com carências ao nível de alojamento, alimentação, higiene e vestuário, cuidados básicos de saúde, área relacional, ocupacional e laboral, incluindo vítimas de violência doméstica.
 
O Centro de Emergência Social integra 56 camas, estando 43 reservadas ao Instituto de Segurança Social, mediante protocolo específico já celebrado, e 13 à Câmara Municipal de Sintra, destinando-se a dar resposta às situações de emergência social sinalizadas pela autarquia.
 
A intervenção desenvolvida tem por base a conceção de um diagnóstico de necessidades e o desenvolvimento participado de um projeto de vida individualizado para cada utente, sendo o objectivo geral desta resposta o de promover um conjunto de actividades no sentido de estabilizar o utente, promovendo o autoconhecimento, o reconhecimento dos limites e a promoção dos autocuidados, com particular incidência no treino de competências pessoais e sociais, e na reinserção sócio profissional, de forma a proporcionar uma vida digna, integrada e autónoma em sociedade.
 
De forma a cumprir o seu objectivo geral, a intervenção neste centro rege-se pelos seguintes objectivos específicos:
  • Acolher, por um período máximo de três meses, excepcionalmente renovável até ao limite de seis meses, indivíduos ou famílias em situação de especial vulnerabilidade e desprotecção sociais
  • Alojar, de emergência, indivíduos ou famílias em qualquer situação aguda e imprevista que é estimada como ameaçante e os coloca em situação de perigo e desprotecção, tendo em conta a ausência de condições mínimas de subsistência que exijam uma resposta imediata
  • Zelar pelo acompanhamento adequado à problemática de cada caso (saúde; desalojamento; violências várias; rutura familiar; carência económica; ausência de redes de suporte; entre outras que possam surgir), tendo em conta a delineação de um projeto de vida estruturado e direcionado para a solução mais ajustada 
  • Satisfazer as condições mínimas de sobrevivência (acolhimento, alimentação e higiene)
  • Zelar por um acolhimento de qualidade, tendo em conta a dignidade e integridade humana, e que represente uma mais-valia para a reabilitação dos utentes acolhidos
  • Promover competências e valores, pessoais e sociais
São assegurados os seguintes serviços:
  • Alojamento temporário 
  • Higiene pessoal 
  • Alimentação, no âmbito do Protocolo de Cantina Social com o Instituto da Segurança Social, I.P 
  • Tratamento de roupas 
  • Acompanhamento e encaminhamento social
  • Enfermagem
  • Actividades ocupacionais, de treino de competências e pedagógicas 
  • Apoio/acompanhamento através de giros de rua no Concelho de Sintra, em resposta a sinalizações por parte da Câmara Municipal de Sintra